Notícias

Itatiaia em Movimento: ex-agente socioeducativo resolver largar a profissão e virou motorista de aplicativo

Por Redação , 13/12/2019 às 16:38
atualizado em: 13/12/2019 às 17:11

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00


O Itatiaia em movimento desta sexta-feira é com o motorista de aplicativo Wagner de Oliveira Xavier, de 49 anos. Vamos nessa carona? Nela embarca o jornalista João Felipe Lolli. Toda sexta-feira, o Jornal da Itatiaia 1ª Edição e o programa Chamada Geral trazem relatos de taxistas e motoristas de aplicativos, que contarão os problemas enfrentados no trânsito de Belo Horizonte e as histórias inusitadas que já viveram. 

Wagner é formado em teologia e trabalhou por 17 anos como agente socioeducativo, lidando com menores infratores. Há 10 meses como motorista nas ruas de BH, o homem que já recebeu diversos elogios como “excelente papo”, “direção cuidadosa”, “respeitoso”, além dos agradecimentos, se diz grato por servir as pessoas. “É um reconhecimento daquilo que a gente pode proporcionar para as pessoas.”

O motorista disse que uma das viagens que mais o marcou foi quando uma senhora de 94 anos e duas filhas dela, que tinham entre 70 e 75, embarcaram no carro. “Ela [senhora de 94 anos] foi entrando e falou assim ‘seu carro está sendo inundado por mulheres’. Eu comecei a rir e falei ‘minha esposa só não pode ficar sabendo’, aí ela falou  ‘esquenta não que a gente não vai contar’. Foi muito gostoso porque a história de vida dela é muito bonita. Ela estava indo visitar o marido, que tinha sido internado um dia antes na Santa Casa. No trajeto a gente foi conversando, ela falou comigo que no sábado estaria completando 70 anos de casada. Foi muito gostoso saber que ainda existe essa questão da família.”

OUÇA A REPORTAGEM COMPLETA COM JOÃO FELIPE LOLLI 

Wagner disse que nunca teve grandes problemas nas viagens, mas que uma o chateou. Uma mulher, que já estava brava com a Uber, fez uma corrida com ele e colocou o endereço errado. 

“Eu comecei a viagem, caiu direto no Waze, eu comecei a andar e ela falou ‘não é por aqui não’. Eu falei ‘pra onde a senhora está indo?’. Ela falou ‘para a [avenida] Pedro II’. Eu falei ‘realmente. Vou só fazer o retorno e vamos para o local’. Quando eu olhei, ela tinha solicitado para a Pedro II de São Paulo e foi muito chato porque ela já estava nervosa com as coisas da Uber e começou a xingar.”

Ele conta que no final da viagem falou com a mulher que não precisava pagá-lo e ainda pediu perdão, mas a mulher não aceitou o pedido de desculpa e saiu do carro nervosa.

Apaixonado pelo que faz, Wagner mandou um recado para os amigos de volante. “Não desistam. Vocês fazem a diferença. Não é só no dinheiro, não, é na vida das pessoas. Nem sempre dinheiro é importante. Se você puder fazer a diferença na vida das pessoas, faça.”

Leia mais:

Itatiaia em Movimento: ex-jogador que virou taxista conta como é ganhar a vida ao volante

Itatiaia em Movimento:  motorista de aplicativo faz sucesso ao compartilhar rotina nas redes sociais

Itatiaia em Movimento: histórias de taxistas e motoristas de aplicativos de Belo Horizonte

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link