Notícias

Médico faz alerta aos entregadores por aplicativos para sérios problemas na coluna

Por Aline Campolina/Itatiaia, 09/12/2019 às 12:05
atualizado em: 09/12/2019 às 12:06

Texto:

Diante da facilidade e comodidade em se pedir uma refeição por meio dos aplicativos, os entregadores viraram uma febre por todo lado. Sejam por motocicletas ou por bicicletas, os trabalhadores não perdem tempo e fazem diversas corridas em poucas horas. Mas essa nova modalidade de entrega a domicílio chama atenção para a saúde dos condutores devido ao peso das mochilas (espécie de caixotes térmicos) que eles carregam nas costas.

Segundo o ortopedista Daniel de Abreu Oliveira, as novas tecnologias são interessantes e ajudam até mesmo na questão do desemprego do país, mas também leva a uma série de inconvenientes. “Isso pode causar prejuízos ortopédicos, principalmente na coluna. Dependendo do peso que eles carregam, como é um compartimento muito grande, pode levar a um desvio do eixo de força e isso causa uma sobrecarga muito grande na coluna lombar”, explica.

Os entregadores que trabalham por horas com as mochilas nas costas estão sujeitos a diversos problemas, como dores musculares (conhecidas como lombalgias), incômodo na coluna, e, em casos mais graves, até problema de hérnia e degenerações.

O ortopedista cita algumas dicas para os trabalhadores. “A primeira é tentar colocar os produtos mais pesados o mais próximo da coluna, de forma que eles não fiquem mais distantes do corpo e o peso fique mais sobre a região lombar. A segunda questão, se o entregador utilizar mais a bicicleta, é sempre ter o banco e o guidão todos na altura adequada para você realmente reduzir a carga da má postura. E também ter intervalos de descanso. A gente sabe que muitos profissionais trabalham até 12 horas fazendo entregas. Se a pessoa passa o dia inteiro em cima de uma motocicleta ou bicicleta, ela vai ter uma sobrecarga excessiva na coluna”, diz.

Para o médico, a forma correta para se carregar os produtos  é por meio da antiga caixa de transporte já adaptada no veículo. “A própria moto já é adaptada, ela tem o compartimento atrás que tudo o que for transportado fica no veículo, e não nas costas do profissional”, afirma Daniel.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), aproximadamente 80% dos adultos sofrerão pelo menos uma crise aguda de dor nas costas durante a vida, sendo que 90% dessas pessoas apresentarão mais de uma vez.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link